notícias

Mercado Imobiliário

Índice de Velocidade de Vendas de julho tem o melhor resultado do ano

23/09/2018

A lenta retomada da economia brasileira impôs ao mercado imobiliário mais cautela no lançamento de novos produtos. Por isso que, atualmente, o setor em Pernambuco vive um momento de estabilidade, optando por comercializar os imóveis já prontos. É o que mostra o Índice de Velocidade de Vendas (IVV) do mês de julho, que registrou o melhor resultado do ano com 8,3 pontos percentuais.

 

Segundo o gerente do Núcleo de Economia e Negócios Internacionais da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE), Emiliano Silva, os resultados mais recentes mostram que o segmento entrou em fase de estabilidade ao focar nos imóveis disponíveis desde o agravamento da crise econômica. As informações são obtidas por meio de pesquisa da FIEPE realizada em parceria com a Ademi e o Sinduscon.

 

Ainda de acordo com o levantamento, as 48 empresas pesquisadas ofertaram 5.814 imóveis ao todo. Do total, as 1.862 unidades utilizaram recursos do financiamento Minha Casa Minha Vida e as 3.952 unidades restantes usaram recursos do condomínio, próprios, do sistema financeiro habitacional ou outros.

 

Já as vendas totalizaram 466 unidades em julho. Das unidades vendidas, 283 utilizaram o MCMV. As 183 unidades restantes usaram outras fontes de financiamento. Desse modo, o IVV do MCMV atingiu 14,2%, enquanto que o IVV dos demais recursos marcou 4,7%.

 

“Outro efeito que percebemos, e que vem a reboque das escolhas feitas por quem compra via MCMV, é a escolha por imóveis com dois ou três quartos, sendo 83,2% das ofertas totais e 92,9% das vendas totais nas faixas de área de até 70 metros quadrados (m²) com uma vaga na garagem”, ressaltou Silva.  

 

As áreas Recife (sobretudo Curado e Tejipió), Paulista e Camaragibe são as que mais se destacam quanto ao número de vendas em relação à quantidade de unidades ofertadas, apresentando índices de velocidade de venda de 46,2%, 39,9% e 20,0%, respectivamente. Em contraponto, as divisões Olinda (Bairro Novo, Casa Caiada, Peixinhos e Rio Doce) e Recife (Caxangá, Cordeiro, Ilha do Leite, Ilha do Retiro, Madalena, Torre e Varzéa) foram as menos favorecidas em julho, apresentando índice de 1,4 e 1,3%, respectivamente.

 

“Isso quer dizer que as localidades que reúnem os imóveis cuja origem dos recursos é o programa Minha Casa Minha Vida têm o valor médio do metro quadrado mais baixo, variando entre R$ 2.320 e R$ 3.438,38. Já os imóveis que utilizam os demais recursos têm seu valor médio do metro quadrado variando entre R$ 4 mil e R$ 9.750”, pontou Emiliano Silva.  

Arquivos