notícias

Mercado Imobiliário

Queda no juros e inflação menor animam o mercado imobiliário pernambucano
IVV registrou 7,5% no mês de março, foi a maior variação apresentada desde 2014. Balanço dos primeiros meses de 2017, divulgado pela FIEPE, aponta sinais de melhora para o setor

17/05/2017

O Índice de Velocidade de Vendas (IVV), medido pela Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE), registrou no mês de março 7,5 pontos percentuais. O número foi superior à média ponderada apresentada em todo o ano de 2016, que foi de 4,9%. A variação das ofertas e vendas de imóveis nos primeiros meses do ano indica leve sinal de melhora.


O estudo, que analisa o comportamento do mercado imobiliário, apresentou que apenas com os imóveis contemplados no programa Minha Casa Minha Vida, o IVV foi de 12,8% no mês de março e de 6,5% sem o MCMV. No período, foram lançadas 192 unidades habitacionais. As ofertas totalizaram 7.192 imóveis e comercializados 560 imóveis residenciais.


De acordo com o gerente do Núcleo de Economia e Negócios Internacionais da FIEPE, Thobias Silva, o salto na variação das ofertas e vendas de imóveis no mês março deve-se, entre outros fatores, à comercialização de unidades residenciais e empresariais apresentadas na Semana Imobiliária. O evento organizado pela Ademi-PE e Sinduscon, reuniu 22 empresas e colocou à venda mais de 3 mil imóveis.


“Com novos lançamentos e venda dos imóveis em estoque, o mercado deve voltar a aquecer, ainda que lento nesse primeiro momento. O setor tem focado na redução dos estoques e no equilíbrio na colocação de novos produtos no mercado dando prioridade aos de maior liquidez. A queda na inflação, que em abril fechou com variação de 0,14%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e teve um resultado de 4,08% nos últimos 12 meses a menor taxa desde julho de 2007, adicionado a queda gradual da taxa de juros Selic, indicam para uma melhora na confiança dos agentes econômicos e gera ânimo para o setor, que espera reação no segundo semestre”, analisa o economista.

Para atender o mercado consumidor, as empresas imobiliárias têm disponibilizado perfis de imóveis que seguem a tendência de unidades habitacionais com metragens menores. Os espaços com dois quartos representaram 69,8% das vendas totais em março e 64,1% das vendas de imóveis com até 50m².


BALANÇO – Os resultados apresentados no estudo da FIEPE para os dois primeiros meses do ano indicam estabilidade no mercado imobiliário. Em janeiro o IVV fechou em 4,4 pontos percentuais. O índice, sem ponderação, apenas com o Minha Casa Minha Vida apontou 7,1% e sem o programa 3,6%. Foram disponibilizados 7.609 imóveis e vendidos 322. No mês de janeiro não foi registrado nenhum lançamento habitacional. Já os dados de fevereiro apontaram IVV de 3,7%, sendo 3,0 sem o MCMV e de 5,9 pontos percentuais apenas com o Minha Casa. Dos 7.190 imóveis ofertados, 256 foram vendidos e 32 unidades habitacionais lançadas.

Fonte:

Arquivos